HOME-OFFICE DÓI?

HOME-OFFICE DÓI?

Dores nas mãos, nos braços, nos ombros, no pescoço: profissionais de saúde têm constatado um número crescente de pessoas com essas queixas desde… o início da pandemia. Estima-se que esses sintomas são resultado direto da postura inadequada e do excesso de tempo em frente a telas e teclados, consequência da mudança emergencial para o home-office sem cuidados com a ergonomia.

Boa parte – talvez a maioria – dos profissionais que precisaram repentinamente migrar para o home-office não tiveram tempo e recursos para se preparar de forma adequada, fazendo as adequações necessárias no “novo” ambiente de trabalho, que além de tudo também se tornou híbrido com o ambiente doméstico, com todas as facilidades e interferências que isso pode trazer.

Alguns empregadores até contribuíram para aquisição de equipamentos, como cadeiras ergonômicas, mas casos assim foram, e parecem continuar sendo, raros. Só que a ergonomia não pode ser subestimada, nem para a saúde do profissional, nem para a produtividade da empresa para a qual ele trabalha. Além do inerente componente humano (outro elemento ainda relativamente raro no mundo corporativo), já é bem sabido, há décadas, que saúde, bem-estar e desempenho estão intimamente relacionados.

Um exemplo, simples e clássico: o recomendado é que o centro da tela fique na altura dos olhos, mas como a maior parte das pessoas utiliza notebooks, sem qualquer adaptação, o monitor acaba ficando bem abaixo do ideal, fazendo que o pescoço permaneça dobrado para a frente e sobrecarregando a coluna cervical.

Como a “improvisação” se estendendo já há mais de 1 ano (o que soa como algo, de fato, permanente), os problemas relacionados à inadequação ergonômica começaram a aparecer com frequência cada vez maior: em mais gente, de mais empresas, por mais tempo. E nem falamos aqui da queda drástica no nível de atividade física…

Não parece mais adequado esperar o retorno à normalidade do trabalho presencial, que pode não acontecer tão cedo, ou, para algumas empresas, nem acontecer – já que muitas podem olhar exclusivamente para a redução de custos (menos escritórios e gastos com deslocamento e alimentação da equipe), numa atitude imediatista e predatória que acaba afetando seus próprios resultados a médio e longo prazo.

É preciso que profissionais e empregadores saibam, e aceitem: nosso corpo é, entre outras coisas, um complexo conjunto de forças musculares e fenômenos sensoriais uma mudança, na ação de um só músculo, resulta na reorganização inevitável de todo esse conjunto, para o bem ou para o mal. Perceber e tratar com cuidado da postura que assumimos quando trabalhamos é um dos aspectos mais profundos e essenciais da experiência humana.

Fontes:
https://www.brasilmedicinaocupacional.com.br
https://6minutos.uol.com.br