Burnout existe?

Burnout existe?

No passado recente, uma conhecida jornalista da maior rede de televisão do país saiu do ar – e depois da empresa – alegando ter a síndrome de burnout (ou Burnout, com inicial maiúscula). Na época, como ainda hoje, muitas pessoas classificam o quadro como “mimimi”, reclamação infundada de alguém que não é suficientemente competitivo, incompetência mascarada ou simplesmente algum tipo de malandragem para trabalhar menos.

Essas pessoas estão enganadas: a síndrome existe, pode ser grave e desestruturar seriamente, às vezes para sempre, a vida e a carreira de quem a apresenta. Uma busca rápida na Internet demonstra que a existência e gravidade do problema são praticamente consensuais entre os profissionais de saúde, inclusive alguns bem famosos. Sem contar que está descrito na literatura especializada e registrado na CID (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).

“Burnout” pode ser livremente traduzido como “totalmente consumido”: algo ou alguém que gastou todo seu combustível ou sua energia. Em outras palavras, esgotamento total. O transtorno é caracterizado por um estresse devastador, extremo, superior à capacidade pessoal de lidar com questões do dia a dia de modo eficiente e… está relacionado exclusivamente ao trabalho.

Profissionais que atuam diariamente e por tempo prolongado sob pressão e com responsabilidades constantes estão mais propensos a apresentar a síndrome: médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas etc. Os sinais e sintomas são tanto psicológicos e emocionais como físicos. Entre os principais, estão:
– Cansaço excessivo, físico e mental;
– Dor de cabeça frequente;
– Alterações no apetite;
– Insônia;
– Dificuldade de concentração;
– Sentimento de fracasso, insegurança;
– Negatividade constante e desesperança;
– Alterações repentinas de humor;
– Isolamento;
– Alteração da frequência cardíaca;
– Aumento da pressão arterial;
– Dores musculares;
– Problemas gastrointestinais.

Ao ver essa lista, muita gente pode pensar: “então eu já tive ou tenho Burnout”. Mas esse raciocínio não é correto. Apenas um desses sintomas, ou a ausência de algum deles, não caracteriza ou descaracteriza a síndrome. É preciso levar em consideração diversos fatores, como há quanto tempo se apresentam, como evoluíram e as circunstâncias de vida do paciente. O diagnóstico precisa ser feito por um profissional especializado – normalmente um psicólogo e/ou psiquiatra – que também conduzirá o tratamento.

A primeira frente de tratamento costuma ser a psicoterapia, mas dependendo da severidade do quadro pode ser necessária a prescrição de medicamentos, como antidepressivos e ansiolíticos. Normalmente, a melhora se apresenta entre 1 e 3 meses, mas, claro, o ritmo é muito individual. Durante e depois, é fundamental que o ritmo de trabalho e o envolvimento com a atividade profissional sejam reavaliados e adequados de modo a manter o bem-estar do paciente.

Pode parecer estranho, mas também é possível prevenir a síndrome de burnout. Como? Deixando de ver o trabalho como um objetivo em si mesmo e incluindo definitivamente na vida (com o valor que merecem) atividades como a convivência com amigos e familiares, relaxamento, lazer, atividade física regular. O que, aliás, parece ser uma postura de vida de grande eficiência preventiva para promover e manter a saúde de todos nós, seres humanos.

Fontes:
http://antigo.saude.gov.br
https://www.uol.com.br/vivabem
https://www.tuasaude.com