Quanto você pagaria pelos dados da sua empresa?

Quanto você pagaria pelos dados da sua empresa?

Um ataque hacker consegue burlar as medidas de segurança digital, acessar os sistemas da empresa e “sequestrar” dados indispensáveis à sua operação. O valor do “resgate” pode chegar à casa dos milhões. O que você faz? Paga o preço exigido pelos cibercriminosos ou se nega, aceitando levar um tempo imprevisível para retomar suas atividades? De uma forma ou de outra, a empresa estará no prejuízo…

Um ataque desse tipo, conhecido como ransomware (sequestro digital), foi sofrido há alguns dias por ninguém menos que as Lojas Renner, maior varejista de moda do país, paralisando suas atividades – inclusive em lojas físicas – retomadas ainda de forma instável 2 dias depois, até serem normalizadas. O Grupo Fleury também foi vítima, em julho desse ano, e demorou 23 dias para retomar completamente seus sistemas. A lista de empresas atacadas desde o início da pandemia inclui Cosan, Braskem, Fleury, JBS e Embraer, entre outros.

Já dissemos aqui que os crimes cibernéticos vêm apresentando aumento expressivo nos últimos anos e cresceu mais de 200% desde o início da pandemia. Estima-se que o custo global do cibercrime tenha sido de US$ 1 trilhão em 2020 e atinja a marca de US$ 6 trilhões em 2021. Não é de espantar, portanto, que as organizações estejam investindo forte em cibersegurança.

Só na América Latina, o setor movimentou quase US$ 5 bilhões no ano passado e deve chegar a US$ 9,57 bilhões em 2026. No Brasil, com a vigência da LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, que dispõe sobre dados pessoais e medidas de segurança para protegê-los de ações ilícitas e situações acidentais, o movimento é crescente – inclusive porque, claro, a lei prevê penalidades.

A imagem do hacker como um adolescente nerd, que sozinho do seu quarto ou do porão de casa consegue burlar só por “esporte” a segurança de sistemas de grandes corporações, há muito está desatualizada, se é que um dia foi verdadeira. Hoje se sabe bem que os hackers são grupos organizados, ousados, perigosos, que agem por interesse e podem lucrar muito com suas atividades ilícitas.

Uma das formas de reduzir os riscos de ataques digitais é combinar investimentos em tecnologia – especificamente sistemas cada vez mais eficazes em identificar e neutralizar invasões rapidamente – e treinamento de colaboradores para adoção de protocolos preventivos. Assim se constrói um programa robusto de segurança da informação.

Outra estratégia importante, ainda mais eficaz se adotada de modo complementar, é o chamado Cyber Seguro, apólice específica de seguro de riscos cibernéticos que oferece às empresas cobertura referente à responsabilidade pelo vazamento de dados e eventuais prejuízos financeiros causados por ataques de hackers. Ou seja, se todas as outras medidas de cibersegurança falharem, o seguro ao menos minimiza os prejuízos, o que não é pouco quando se fala em cifras na casa dos milhões.

A existência e a popularização dessa solução, comum na Europa, é relativamente recente no Brasil.  Mesmo assim, o aumento das contratações deste tipo de apólice foi de 55% no ano de 2019. Provavelmente, isso reflete uma consciência crescente no mercado, de que todas as empresas estão sujeitas a ataques de hackers, e que proteger-se deles é responsabilidade dos respectivos gestores.

Quer se prevenir contra o terrorismo virtual? A SICCS está preparada para auxiliar você nesse sentido.

Fontes:
https://www.abgr.com.br
https://www1.folha.uol.com.br
https://neweseguros.com.br
https://www.convergenciadigital.com.br
https://canaltech.com.br/seguranca